Devastação Feminina

Por:Circuito PSI
Novidades

17

Sep 2019

Poucas coisas chamam tanto a atenção da humanidade quanto o amor. Trata-se de “formular” que o caminho da felicidade esteja diretamente ligado a relação amar e ser amado. E que, por este viés, a perda da felicidade signifique perda do amor. Em se falando de devastação, trata-se da demanda infinita de amor, aquela que não cessa, e que é da mulher, retorna para ela mesma.

Uma mulher fala. E fala de amor. Uma mulher faz juras, manda mensagens, escreve cartas, se declara. E lança-se direto para um outro, no qual enlaça. Ela ‘goza do corpo do Outro’. Ou seja, ela ‘goza’, mas o faz através do corpo do Outro.

Em se tratando de uma mulher que ama um homem, ela produz nele, uma falta, mesmo que imaginária. E esse homem pode significar para ela tanto um deslumbramento, quanto uma devastação.

Para a mulher, há a insistência sem limites de amar. Na qual ela dá tudo. E talvez ela toda. Neste amor infinito, o que vale é estar lá, junto dele, seja lá como for. Mesmo que de forma negativa.

O que uma análise pode oferecer a uma mulher é a possibilidade de ela se responsabilizar e adotar outra posição frente ao objeto amoroso escolhido.


** Este vídeo é ilustrativo. Os personagens são fictícios. A identificação de qualquer semelhança é mera coincidência.

Sugestões de textos:

http://www.opcaolacaniana.com.br/pdf/numero_6/Devastacao.pdf

http://www.opcaolacaniana.com.br/pdf/numero_6/Devastacao_Um_nome_para_dor_de_amor.pdf

Compartilhe:

Rua Juruá, 50 ou 46 - Sala 305. Cidade Nova

(31) 99903-3762

contato@circuitopsi.com.br